Espínola

ESPÍNOLA
(zagueiro e lateral-esquerdo)


Perder Gamarra para o futebol português foi, sem dúvida, um grande choque para a massa vermelha. Os euros seduziram o paraguaio, símbolo da raça e da esperança que o colorado nutria cegamente na metade dos anos 90.

Gamarra deixou o Internacional logo após sua única conquista: o Gauchão de 97, quebrando o jejum de dois anos sem títulos. Nem teve tempo de festejar o caneco e partiu para a Bolívia disputar a Copa América. O Paraguai caiu nas quartas-de-final para o Brasil.

Enciso voltou da disputa e trouxe consigo um reforço para suprir a falta de Gamarra: o zagueiro Espínola. Oriundo do Sportivo Luqueño, um clube modesto do Paraguai, Espínola também fazia a função de lateral-esquerdo.

Entretanto, Espínola teve dificuldades para ter seqüência. Na temporada de 97, a concorrência era fortíssima, além de seu desempenho ser bem limitado. Jogou boa parte de 1998 como titular, mas o desempenho do time foi muito fraco.

Em 1999, foi emprestado ao Cruzeiro, onde também rendeu pouco. Retornou ao Inter em 2000, mas quando chegou, Lúcio já era titular incontestável na posição, e na esquerda, o Colorado já contava com Dênis.

Depois de disputar poucas partidas em 2001, foi dispensado no ano seguinte. Retornou ao Paraguai, para jogar pelo Guaraní. Rodou times do Paraguai, Chile e Argentina. Encerrou a carreira em 2010, pelo 12 de Octubre.