Vágner Bacharel

VÁGNER BACHAREL
(zagueiro)

Nome completo: Vágner Araújo Antunes
Data de nascimento: 11/12/1954
Local: Rio de Janeiro (RJ)

CARREIRA:
1976-1978
Madureira
1978-1980
Joinville
1980
Internacional
1981
Cruzeiro
1982-1983
Joinville
1983-1987
Palmeiras
1987-1988
Botafogo
1988
Guarani
1989
Sport
1989
Vila Nova
1989
Fluminense
1990
Paraná

Jogadores bem articulados ganham prestígio nos elencos por onde passam. Vágner Bacharel era exemplo de jogador que, além de ser um bom zagueiro, era bem-humorado e pacificador de grupos turbulentos.

Começou profissionalmente no Madureira, mas seu clube de infância foi o Botafogo. Depois de três temporadas no Madureira, passou pelo Volta Redonda e foi para o Joinville, onde se sagrou campeão catarinense em 78, 79 e 80.

Foi contratado pelo Internacional no segundo semestre de 1980, mas não conseguiu se firmar. Jogou apenas por oito meses no Beira-Rio e rumou a Belo Horizonte, para defender o Cruzeiro, onde ganhou o apelido de Bacharel.

Depois de quatro meses na Toca da Raposa, Bacharel foi contratado pelo Palmeiras sob muita desconfiança da imprensa paulista. Dentro de campo, foi um dos grandes nomes do Palmeiras em uma época de vacas magras. Curiosamente, era um zagueiro que cobrava escanteios com eficiência e um excelente apoiador. Ao lado de Luís Pereira, fez uma das melhores duplas de zaga palmeirense nos anos 80.

Passou pelo seu time do coração, o Botafogo, em 1987. No ano seguinte, jogou no Sport. Depois de passar por Vila Nova e Fluminense, foi para o Paraná Clube, último time defendido pelo zagueiro. No tricolor paranaense, Vágner Bacharel foi um dos primeiros ídolos do clube recém fundado.

Em uma partida pelo Campeonato Paranaense, chocou-se com o atacante Nivaldo, do Maringá, sofrendo uma grave lesão na coluna cervical. Depois do coma, os médicos o deram alta, mas não resistiu. Faleceu aos 32 anos, no dia 20 de abril de 1990.

Chinesinho

CHINESINHO
(meia)

Nome completo: Sidney Colônia Cunha
Data de nascimento: 28/6/1935
Local: Rio Grande (RS)

CARREIRA:
1953
Riograndense-RG
1954
Renner
1955-1958
Internacional
1958-1962
Palmeiras
1962-1963
Modena-ITA
1963-1965
Catania-ITA
1965-1968
Juventus-ITA
1968-1972
Lanerossi Vicenza-ITA
1972
New York Cosmos-EUA
1973-1974
Nacional-SP

O riograndino Chinesinho fez parte de um histórico time colorado, na segunda metade dos anos 50. Antes disso, iniciou a carreira no Riograndense, passando pelo Renner e se sagrando campeão estadual pela primeira vez, em 1954.

Veio para o Internacional em 1955, onde formou um esquadrão sensacional ao lado de Oreco, Salvador, Bodinho, Larry e outros nomes do histórico time dos anos 50. No Inter, Chinesinho ganhou projeção, ainda mais quando foi convocado para disputar o Panamericano de 1956 pela Seleção.

Em 1958, foi para o Palmeiras junto com Valdir Moraes e Ênio Andrade. Assim como no Inter, Chinesinho conquistou o status de ídolo palmeirense. Levantou as taças do Paulistão de 59 e a Taça Brasil de 60.

A partir de 62, jogou um longo tempo na Itália, passando por Modena e Catania, até chegar na grande Juventus. A missão era complicada: substituir Sivori, ídolo local. Chinesinho não decepcionou. Ganhou o Scudetto na temporada 1966/1967 e a Coppa Itália de 1965. Em sua passagem pela Itália, despertou a idolatria de um jovem, que viria a ser um dos maiores jogadores do mundo nos anos 90: Roberto Baggio.

Depois de quatro anos no Lanerossi Vicenza, de 68 a 72, foi para o New York Cosmos, antes de Pelé e Beckenbauer. Encerrou a carreira no Nacional-SP, vizinho do Palmeiras, em 1974.

Chinesinho ainda treinou times de pouca expressão na Itália, além de Al-Ittihad-SAU e Palmeiras. Morreu no dia 16 de abril de 2011, na sua querida Rio Grande. O ex-meia colorado sofria de Alzheimer.

Fernando

FERNANDO
(volante)

Nome completo: Fernando Henrique Mariano

Data: 3/4/1967
Local: Uberlândia (MG)

Carreira:

1986-1990
Uberlândia
1990-1993
Mogi Mirim
1993
Portuguesa
1994-1996
Guarani
1996-1998
Internacional
1998-1999
Avispa Fukuoka-JAP
2000-2002
Palmeiras
2003-2004
Botafogo
2005
Santo André
2005-2007
Marília
2007-2009
Santo André

O interminável Fernando, volante raçudo e imponente, foi um dos melhores volantes que o Internacional teve na década de 90, sendo uma das raras apostas do interior paulista que deram certo.
Fernando iniciou a carreira no Uberlândia, em 1986, permanecendo no interior de Minas Gerais até o ano de 1990. Ainda jovem, integrou o elenco do Mogi Mirim, na época em que o time era conhecido como "Carrossel Caipira".
Depois de ser emprestado à Portuguesa, retornou ao Mogi Mirim. Logo, foi vendido ao Guarani, onde ganhou destaque maior pelo fato do clube ser uma das surpresas nos anos de 93 e 94. Jogou no Bugre até o final do Paulistão de 96.
Veio para o Internacional reforçar o grupo, após os fracassos no Gauchão e Copa do Brasil. Em seu primeiro Brasileirão, foi um dos destaques do Internacional, adquirindo a condição de titular ao lado de Enciso.
Já em 97, Fernando fez uma das melhores temporadas da sua carreira, ajudando o Inter a retomar o título gaúcho, chegar na fase final do Brasileirão e, de quebra, foi eleito o segundo melhor volante do campeonato, ganhando a Bola de Prata da Placar.
Em 1998, deixou o Internacional após a eliminação na Copa do Brasil para o América-MG. O Inter perdia uma de suas lideranças para o futebol japonês. Depois de duas temporadas no Avispa Fukuoka, foi contratado pelo Palmeiras. No Verdão, teve passagem discreta. No Botafogo, em 2003, ajudou o time a subir à Série A, sendo vice-campeão da Série B.
Passou por Santo André e Marília. Parou de jogar no Santo André, em 2009. O clube do Ramalhão acabou rebaixado, mas Fernando, aos 42 anos, mostrou disposição de garoto em suas últimas temporadas.

Galego

GALEGO
(lateral-esquerdo)

Nome completo: Jéfferson Alberto Ferreira

Galego iniciou a carreira profissional no modesto Nacional-SP, indo posteriormente para o Francana, um dos muitos clubes do interior paulista por onde passou. Em 1999, foi contratado pelo Botafogo para ser a solução na lateral-esquerda. O time carioca quase foi rebaixado no Brasileirão.

Em seguida, a Ponte Preta tratou de contratar o lateral. Depois de sete jogos, foi dispensado e rumou à Inter de Limeira. Após passagens por Santo André e Joinville, foi para o Marília, onde fez uma excelente Série B de 2003. Por pouco, o MAC não conquistou o acesso.

No Paulista, Galego ganhou o status de lateral-artilheiro, marcando gols importantes e ajudando o time de Jundiaí a chegar à decisão do Paulistão de 2004, contra o São Caetano. Em setembro do mesmo ano, foi anunciado pelo Internacional por indicação de Muricy Ramalho.

Começou o ano de 2005 marcando o primeiro gol do Inter na temporada, diante do Farroupilha, no empate em 1 a 1. A partir daí, a passagem do jogador foi marcada por atuações irregulares e vaias constantes.

Na metade do ano, foi para o Guarani. A partir daí, sua carreira se baseou em peregrinar por times do interior de São Paulo, Rio Grande do Sul, além de passagem pelo Bahia e pelo Criciúma. Abandonou os gramados em 2013, jogando pelo Farroupilha.

Gustavo (1997)

GUSTAVO
(lateral-direito)

Gustavo foi um lateral de grande potencial ofensivo, mas sem muito potencial de marcação. Oriundo das categorias de base do Guarani, fez parte de boas campanhas do Guarani, como o acesso à Série A em 92 e na excelente campanha de 1993, quando o Bugre parou na segunda fase.

Emprestado ao Palmeiras para o Brasileirão de 1994, se sagrou campeão brasileiro sendo reserva de Cláudio. Foi para o Flamengo em 1995, no ano do centenário rubro-negro, onde foi reserva durante o Campeonato Carioca.

Foi transferido para a Portuguesa para a disputa do Brasileiro de 95. Em 1996, retornou ao Palmeiras, novamente, sem oportunidades. O titular da posição era ninguém menos que Cafu.

Depois da venda de César Prates para o Real Madrid B, Gustavo foi uma solução barata e imediata, visto que a carência de bons laterais era um problema desde a saída de Luís Carlos Winck, em 1994.

Primeira opção na posição durante o primeiro semestre, perdeu posição pelo ótimo desempenho de Enciso, que passou a jogar improvisado. Entretanto, Gustavo passou a ser uma das convicções de Celso Roth na fase final do Brasileirão de 97.

Muitos colorados atribuem a desclassificação do time em virtude da escalação de Gustavo, já que Enciso fazia um Brasileirão impecável. Gustavo foi dispensado do time em 98, indo para o Cruzeiro.

No time mineiro, foi vice-campeão Brasileiro, também como reserva. Na ocasião, Vitor era o titular da posição. Gustavo ainda passou por Tenefire-ESP, Botafogo e América-MG, clube onde encerrou a carreira em 2002.

Daniel Frasson

DANIEL FRASSON
(volante)

Daniel, catarinense, começou a carreira no Figueirense em 1987, onde jogou até 1989. Mas foi no futebol paulista que o volante passou a aprimorar seu futebol.

No Bragantino, foi campeão da Série B do Brasileirão em 1989. Na Inter de Limeira, passou a ter visibilidade, o que o levou ao Palmeiras. Ao lado de César Sampaio, disputou a decisão do Paulistão de 93. Na ocasião, o Palmeiras quebrava um tabu de 15 anos sem levantar uma taça. Frasson foi reserva imediato de Amaral no Verdão.

Chegou ao Internacional para a disputa do Brasileirão de 1993. Passou a ser utilizado na lateral-direita na maior parte de sua passagem pelo Inter. Perdeu a posição com a chegada de Luís Carlos Winck.

Em 95, foi para o Atlético-MG, onde se tornou campeão mineiro. Depois de passar por Paraná, Juventude, Juventus-SP, Criciúma, Paulista, Iraty, XV de Piracicaba e Portuguesa Santista, voltou a ser campeão estadual em 99, pelo Figueirense.

Após nova passagem pela Inter de Limeira, foi para o Fortaleza, onde se tornou um dos ídolos do time ao marcar o gol do título cearense que quebrou a hegemonia de quatro anos do Ceará. Um ano depois, levantou mais uma vez o caneco do Cearense

Defendeu o Guarany de Sobral em 2002 e teve mais uma passagem pelo Fortaleza em 2003, ano em que pendurou as chuteiras.

(agradecimento ao Dion Oliveira pelas erratas)

Palmeiras x Internacional (Campeonato Brasileiro 1979)


O Campeonato Brasileiro de 1979 foi enxuto e envolveu 94 clubes ao todo. Os times do eixo Rio-São Paulo entraram apenas na segunda fase, sendo que São Paulo, Corinthians, Santos e Portuguesa abriram mão da disputa, por priorizarem um Torneio Rio-SP que acabou não acontecendo.

A rivalidade do Internacional com o técnico Telê Santana começou em 1977, quando o Grêmio quebrou a hegemonia de oito títulos estaduais do lado vermelho. Mais uma vez, Telê estava no caminho do Sport Club Internacional, dessa vez, pelo Palmeiras, na semifinal na competição.

Palmeias e Internacional buscavam seu terceiro título nacional. O Palmeiras tinha um time jovem, muito diferente do time de 72 e 73, mas com muita qualidade individual. O Inter contava com a experiência de Falcão e Batista e o talento de Jair, além do fato de estar invicto na competição.

O jogo começou com o Palmeiras tocando o terror na defesa colorada. Baroninho investia nas cobranças de falta, enquanto Gilmar fechava a meta alvi-verde. O Inter apostava nos contra-ataques para percorrer o caminho do gol.

Aos 34 minutos do primeiro tempo, Benitez rebate um cruzamento de Jorge Mendonça. A bola cai nos pés do insistente Baroninho que chuta com força da entrada da área. O Palmeiras abria o placar no Morumbi.

O Palmeiras seguia na pressão, mas o Internacional não deixava de persistir. Mário Sérgio e Falcão assustavam o time palmeirense com um show de técnica e habilidade. O time colorado não desistia e conhecia seu potencial.

O Inter chegou ao empate aos 5 minutos do segundo tempo, em um chute de Jair, de fora da área. O arremate não foi forte, é verdade, mas Gilmar foi traído pelo morrinho artilheiro. Palmeiras 1 x 1 Internacional.

Mal deu tempo do Inter comemorar e o Palmeiras passava adiante do placar mais uma vez, aos 10 minutos do segundo tempo. Pires, da intermediária, lança Jorge Mendonça, que dá um drible mágico em Mauro Galvão e chuta no canto de Benítez.

O time colorado não se entregou e seguiu martelando, até que Valdomiro cruza para dentro da área e Falcão cabeceia no cantinho de Gilmar. Era mais um empate colorado aos 19 minutos.

Chances incríveis eram desperdiçadas pelo Palmeiras, especialmente pelo atacante Carlos Alberto. O Inter mandava na meia cancha e Mário Sérgio fazia o que queria com os homens de contenção palmeirenses.

O gol da vitória veio, literalmente, na coragem. Cláudio Mineiro cruzou, a bola foi rebatida duas vezes de cabeça dentro da área. Até quicar entre Falcão e Mococa. O volante colorado enfiou o pé e só teve tempo de tirá-lo, até a bola estufar as redes, aos 25 minutos da segunda etapa.

A vitória colorada se consolidava na genialidade de Paulo Roberto Falcão, que foi comparado a Mococa pela imprensa paulistana, lançando a manchete "Falcão ou Mococa?". A bola mostrou quem a tratava com mais carinho, e o Inter dava um grande passo à decisão do Brasileirão.

Veja os melhores momentos desse partidaço:

Beliato

BELIATO
(zagueiro)


Nome completo: João Carlos Beliato

Beliato nunca teve o status de grande zagueiro do futebol brasileiro, mas sempre teve como principais virtudes a lealdade e a confiança com que encarava as divididas com os atacantes adversários.

O discreto zagueiro começou a carreira no Ypiranga-SP, em 1970, passando pelo Fluminense-MG em 1971 e sendo contratado pelo Palmeiras em 72. No Verdão, Beliato não teve muitas chances, pois a zaga titular era Alfredo e Luís Pereira. Mesmo assim, o zagueiro esteve no time campeão brasileiro de 1972.

Depois de pedir dispensa para Osvaldo Brandão, foi buscar um time para ser titular. Sua nova casa foi o Náutico. No time de Recife, foi ídolo da torcida, jogando por cinco temporadas no clube. Nem mesmo propostas do Sport conseguiram tirá-lo do alvi-rubro.

Com a saída de Figueroa, Beliato foi trazido como uma das posibilidades para jogar ao lado de Marinho Peres. Em 77, quem assumiu a titularidade foi Gardel. Já em 1978, Beliato assumiu a condição de titular no time campeão gaúcho, depois de se recuperar de um ano ruim.

No ano de 1979, depois de um péssimo Gauchão, a auto-estima colorada foi recuperada em grande estilo, com o título nacional invicto. Beliato perdeu a posição para Mauro Pastor, mas entrou ao longo dos jogos, sem falhar.

Deixou o Inter em 1980, rumando ao seu último clube, o extinto Pinheiros-PR. Pendurou as chuteiras aos 32 anos.

Ênio Andrade

ÊNIO ANDRADE
(meia)

Nome completo: Ênio Vargas de Andrade
Data de nascimento: 31/1/1929
Local: Porto Alegre (RS)

CARREIRA:
1948-1950
São José-RS
1950-1951
Internacional
1951-1958
Renner
1958-1960
Palmeiras
1961
Náutico
1962
São José-RS


O multicampeão Ênio Andrade, além de ter sido um excelente treinador, foi um meia cancha dotado de grande habilidade na perna direita e uma visão de jogo considerada genial. Sua carreira no futebol começou no São José-POA em 1948.



Dois anos depois de se profissionalizar, se transferiu para o Internacional. Conquistou os títulos estaduais de 50 e 51, jogando ao lado de grandes nomes do Colorado, como Larry, Bodinho e Chinesinho.



No Renner, extinto clube de Porto Alegre, viveu o grande momento da sua carreira, quando venceu o Gauchão de 1954, quebrando a hegemonia Gre-Nal que foi estabelecida em 1940. Depois desse título, somente em 98 um clube além de Inter e Grêmio levantou a taça do Gauchão. No ano de 1956, integrou a Seleção campeã panamericana, formada com jogadores de times gaúchos.

Em 1958, deixou o Rio Grande do Sul e foi se aventurar no Palmeiras, reencontrando Chinesinho, ex-companheiro de Internacional. Mais uma vez, foi campeão estadual. Venceu o Paulistão em cima do Santos, de Pelé, em 1959. E em 1960, faturou a segunda edição da Taça Brasil.

Depois de passar pelo Náutico, em 1961, retornou ao São José, até encerrar a carreira como jogador em 62.

Como técnico, Ênio Andrade é muito querido pelas torcidas de São José, Internacional, Grêmio, Coritiba e, especialmente, do Cruzeiro. Até hoje, Ênio Andrade é admirado por grandes treinadores do futebol nacional.

Ênio foi um dos maiores treinadores do Brasil, sendo três vezes campeão brasileiro, mineiro, pernambucano, e de competições da Conmebol. Faleceu em janeiro de 1997, depois de complicações pulmonares.

Gilmar Lima

GILMAR LIMA
(zagueiro)


Gilmar Lima foi uma das grandes revelações do Rio Branco-SP na segunda metade dos anos 90, junto com Pena, Marcos Senna e Anaílson. Jogou no time de Americana de 1996 a 1999. Foi para o Palmeiras no segundosemestre de 99 sem conseguir se destacar, também em virtude da má campanha no Brasileirão.

Se transferiu para o Guarani em 2000, quando foi um dos destaques do Guarani. Junto com Luís Fernando Martinez, despertou a atenção da então diretoria colorada, que vislumbrava atletas do interior de São Paulo.

No Internacional, Gilmar Lima foi um dos destaques negativos do time, não conseguindo se firmar no time titular, perdendo espaço até mesmo no time reserva nas últimas rodadas do Brasileirão, atrás de Fábio Luciano, Ronaldo e Fernando Cardozo.

Retornou para o Rio Branco no início de 2002, retornando ao Guarani para a disputa do Brasileirão. Voltou a Americana, onde ficou até a metade de 2004. Disputou o Brasileirão pelo Criciúma naquele ano e, na ocasião, o Tigre foi rabaixado.

Gilmar Lima ainda defendeu Ituano, Marília e SRV Hortolândia, até se afastar dos gramados em 2007. Em 2011, o ex-zagueiro se envolveu em um acidente automobilístico, sendo atropelado pelo ônibus que estava sendo rebocado por ele. Gilmar estava na posição do carona e caiu do trator reboque. O ônibus, conduzido pelo seu irmão, passou por cima do jogador, que morreu na hora.

Almir

ALMIR
(atacante)


Nome completo: Almir de Souza Fraga

Um dos vários ciganos da bola que rodaram o futebol brasileiro, Almir foi um desses que começou como promessa e acabou a carreira como uma incógnita. Seu início no Grêmio, após ser lançado por Felipão, foi bastante promissor, começando na reserva imediata de Valdo.

Depois de três anos no tricolor, foi para o Santos. O time paulista enfrentava uma grave crise financeira, mas Almir se tornou um dos ídolos do clube, chegando à Seleção que disputou a Copa América.

Ao retornar para o Grêmio, Almir foi negociado com o Santos sem saber de nada. Permaneceu no Santos e foi vendido ao Bellmare Hiratsuka-JAP, onde fez dupla de ataque com Paulinho McLaren. Os dois atuaram juntos no Santos.

O São Paulo contratou o atacante por empréstimo em 95. Foi um dos destaques no time que conquistou a Copa Master da Conmebol. Se transferiu para o Vasco em 97 e, em seguida, foi para o Atlético-MG. Depois de passar pelo Guarani, reencontrou Felipão no Palmeiras, onde conquistou a Copa do Brasil e a Copa Mercosul em 1998.

No Internacional, Almir amargou a reserva por quase todo ano de 99, até assumir a titularidade depois de um rodízio de atacantes ao longo do ano. O atacante foi destaque na participação colorada na Seletiva da Libertadores, marcando nos dois Gre-Nais que culminaram na classificação do Inter, que caiu nas quartas-de-final diante do Atlético-PR.

A partir daí, Almir passou por times da Turquia, México, do segundo escalão do futebol brasileiro, Canoas e Porto Alegre. Encerrou a carreira em 2008, jogando no União Mogi.

Aguirregaray

AGUIRREGARAY
(zagueiro)

Nome completo: Óscar Osvaldo Aguirregaray Acosta
Data de nascimento: 25/10/1959
Local: Artigas (URU)

CARREIRA:
1980-1986 - Nacional-URU
1986-1988 - Defensor-URU
1988-1989 - Internacional
1990-1991 - Palmeiras
1991 - Figueirense
1991-1993 - Defensor-URU
1993-2001 - Peñarol-URU


A força e a seriedade fizeram de Aguirregaray um dos mais notáveis zagueiros que passou pelo Internacional no final da década de 80. O zagueiro veio para o Inter em um tempo em que o futebol uruguaio estava em alta, tendo o então campeão da América, o Peñarol, e a seleção local era a vencedora da Copa América.

Aguirregaray começou a carreira no Nacional, em 1980, ano em que o time foi campeão da América e Mundial. O titular da posição era ninguém menos que Hugo De León, um dos maiores zagueiros da história do Uruguai. Aguirregaray deixou o Nacional em 85, quando foi para o Defensor.

Por três anos, foi capitão do Defensor, onde foi campeão nacional em 1987, levando o time ao seu segundo título. Em 1988, foi contratado pelo Internacional como reforço para o Campeonato Brasileiro.

Com a ida de Aloísio para o Barcelona, Aguirregaray preencheu a lacuna na zaga com estilo, atuando ao lado de Nenê e ajudando o Internacional a chegar á decisão do Brasileirão de 88. Teve uma atuação impecável no Gre-Nal do Século. Aguirregaray era um zagueiro vigoroso, mas nunca foi considerado desleal.

Deixou o Internacional no final de 89 e seguiu para o Palmeiras. Jogou 23 partidas no Palmeiras, marcando um gol. Mas ficou lembrado por ter perdido um gol que tirou a possibilidade do Palmeiras disputar as finais do Paulistão de 90.

Foi para o Figueirense em 91, e no mesmo ano retornou ao Defensor, quando conquistou mais um título nacional. Permaneceu no time até o ano de 1993.

Já veterano, foi para o Peñarol, onde jogou por mais oito anos e conquistou mais cinco títulos uruguaios. Conquistou a Copa América de 1995 pela seleção uruguaia dentro do seu terreno. Jogou até os 41 anos, se despedindo dos gramados em 2001.

Benítez

BENÍTEZ
(goleiro)

Nome completo: José de la Cruz Benítez
Data de nascimento: 3/5/1952
Local: Assunção (PAR)

CARREIRA:
1972-1977 - Olimpia-PAR
1977 - Internacional
1978 - Palmeiras
1978-1983 - Internacional


Uma dividida e uma carreira brilhante era abreviada. Ficaram sequelas e a difícil aceitação de que um gigante goleiro colorado teria que abandonar os gramados em virtude de um lance habitual de jogo. Ali, um dos grandes nomes da história vencedora do Colorado se rendia à uma lesão, mas deixou lembranças épicas de um time,l literalmente, invencível.

O paraguaio Benítez começou jogando no Olimpia, maior clube do país. O goleiro, de 1,86m, era considerado de altura privilegiada na época. Era conhecido pela segurança, reflexo e saídas do gol com serenidade.

Iniciou nas categorias de base do alvinegro paraguaio em 1966, e conquistou a vaga de titular na seleção de base no Sul-americano de 1971, no qual o Paraguai se sagrou campeão invicto. No mesmo ano, Benítez se tornou profissional e titular da posição.

Jogou por sete anos no Olimpia, sendo campeão nacional em 71 e 75. Seu grande momento pela "albiroja" foi em um jogo das Eliminatórias da Copa de 78. Tal atuação levou o Internacional a contratá-lo, depois de Manga se transferir para o Operário-MS.

Em seus primeiros jogos, em 77, o Inter não vivia bom momento, abalado pela perda do Gauchão e sem o guardião Figueroa. No ano seguinte, Benítez foi emprestado ao Palmeiras, depois do Inter ser goleado pelo Grêmio por 4 a 0 em pleno Beira-Rio.

Em seu retorno, Gasperín já havia assumido a condição de titular. Aos poucos, o paraguaio foi recuperando a titularidade e não largou mais essa condição. Benítez fez parte do elenco campeão gaúcho de 1978.

Em 1979, o ano de ouro de Benítez. Ao lado de nomes como Mauro Galvão, Falcão, Batista, Mário Sérgio e Jair, o goleiro se sagrou campeão invicto do Brasileirão.

A partir daí, a carreira do goleiro começou a decolar. Chegou à final da Libertadores de 1980, perdendo a decisão para o Nacional-URU. Faturou mais dois títulos estaduais e seguiu em plena forma, se preparando para o ano de 1983.

Em alta, Benítez continuava sendo um pilar no time colorado. Mas em um amistoso contra o Associação Altética, em Alegrete, aconteceu o inesperado. O atacante Celeni dividiu uma bola com Benítez usando os pés, batendo direto na cabeça de Benítez, que ficou momentaneamente paralisado.

Benítez teve de encerrar a carreira naquele ano, tendo uma grave lesão na coluna. O goleiro não guarda mágoas de Celeni, tendo reencontrado o atacante em duas ocasiões, sendo bem receptivo. Se tornou empresário de jogadores nos anos 90, sendo responsável pelas vindas de Arce e Rivarola para o Grêmio, e Gamarra e Enciso para o Internacional.

Internacional x Palmeiras (Campeonato Brasileiro de 1999)


O descenso é o inferno para qualquer clube no cenário nacional. Qual torcedor gostaria de ver seu time do coração disputando partidas no segundo escalão do futebol brasileiro? A dor do rebaixamento deve doer e nós, colorados, jamais gostaríamos de provar esse sabor amargo.

A apreensão da torcida colorada foi levemente amenizada pelo ponto ganho na justiça, depois da constatação da irregularidade na escalação de Sandro Hiroshi por parte do São Paulo. Casa cheia e os nervos aflorados, em um misto de confiança e apreensão na luta contra a queda à Série B.  O Inter ainda dependia de resultados paralelos para permanecer na Série A.

A esperança colorada estava depositada em Lúcio, Dunga e Fabiano. O Palmeiras tinha um time excelente, com Marcos, Cléber, Zinho e Paulo Nunes, odiado pela massa vermelha em virtude de sua identificação com o Grêmio.

Mal o árbitro Márcio Rezende de Freitas apitou o início de jogo e o Inter começou a pressionar o Palmeiras, que se preparava para a disputa do Mundial contra o Manchester United. Quem imaginava que o Verdão viria somente pra cumprir tabela, se enganou. O Palmeiras se defendeu e criou grandes possibilidades no primeiro tempo. O Inter, nervoso, não conseguia ter o controle da bola.

Felipão, gremista escancarado, parecia disposto a rebaixar o Internacional. Ainda nervoso, mas determinado a não cair, o Inter e seu time de operários suportavam a pressão palmeirense do jeito que dava. Mesmo desfalcado, o Verdão era um timaço. Os alto-falantes do Beira-Rio não informavam os resultados alheios, para não desmotivar o torcedor e o time. Tudo estava desfavorável e o Colorado precisava da torcida mais do que tudo.

Aos 35 do segundo tempo, o Inter chegava na frente em um contra-ataque, quando Celso, que entrou no lugar do lateral-esquerdo Gustavo, aplica um lençol no volante Galeano e é derrubado. A falta era sinônimo de esperança. Celso, artilheiro do Inter no campeonato, e Elivélton se posicionavam para a cobrança de falta.

Celso cobrou por cima da barreira e Dunga, 15 anos de volta depois de deixar o Beira-Rio, escora de cabeça, fugindo da marcação. Ele, que foi preterido por Leão nas últimas rodadas, se tornou nosso salvador.

A partir daí, loucura total. O Inter fazia o que dava para segurar o Palmeiras, depois de ter o técnico Leão expulso. Rezende deu apenas dois minutos de acréscimo e na virada dos 46, os refletores se apagam. Depois de quinze minutos sem luz, a bola volta a rolar e Pena dá o último susto, chutando uma bola por cima do gol do baixinho João Gabriel.

Fim de jogo. Internacional permanece na elite do futebol nacional e, de quebra, termina o campeonato na frente do rival. A fatídica década de 90 chegava ao fim com duas fugas do rebaixamento. Ambas bem sucedidas, graças a Deus, Letelier e Dunga.

Relembre o gol de Dunga com a narração de Pedro Ernesto Denardin:

Barão

BARÃO
(lateral-direito)

Nome completo: Adriano Vidal dos Reis
Data de nascimento: 22/6/1978
Local: Porto Alegre (RS)

Carreira:
1997-2002
Internacional
2003
Sport
2003
Vila Nova
2004-2005
Ulbra
2005
Pelotas
2006
15 de Novembro
2006-2007
Ulbra
2007
Juventude
2007
Ulbra
2008
Atlético-GO
2008
Caxias
2009
São Luiz-RS
2010
Avenida
2010
Inter de Lages
2011
Concórdia-SC
2012
Passo Fundo
2012
Guarany-BG
2013
União-FW
2013
São Paulo-RS

Barão foi um jogador que nunca inspirou confiança e credibilidade na torcida colorada. Até porque era inevitável acreditar nas escalações formadas nos anos 90 e no início do século XXI.
Aos 16 anos, saiu das escolinhas do Zequinha para integrar os juvenis do Internacional e aos 19 já integrava o elenco profissional. Mas só no ano de 1998 que ele teve as primeiras oportunidades entre os titulares, depois de conquistar a Taça São Paulo de Futebol Júnior. Em 1999, com o empréstimo de Denílson, Barão assumiu a titularidade na lateral-direita no Gauchão, onde foi um dos destaques do Internacional.
Porém, com a volta de Denílson, Barão foi para a reserva e não foi mais titular pelo Inter. Ficou no Colorado até 2002. Em seu período jogando pelo Internacional, foi reserva de Gustavo, Denílson, Márcio Goiano e Luizinho Netto. Jogou duas partidas pelo Palmeiras, onde esteve emprestado.
Saiu do Inter e foi para o Sport em 2003, onde foi campeão pernambucano. Em 2004, pela Ulbra, e em 2007, pelo Juventude, foi escolhido o melhor lateral-direito do Gauchão. Jogando no Juventude, esteve no elenco rebaixado no Brasileirão, quando começou o declínio do alviverde de Caxias do Sul.
Eliminou o Grêmio em duas ocasiões pela Copa do Brasil: em 2006, quando jogava pelo 15 de Novembro, e em 2008, pelo Atlético-GO. Na primeira oportunidade, converteu o último pênalti da decisão.
Passou por clubes do interior de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Sem dúvida, Barão é um dos jogadores mais folclóricos do Gauchão.